Zagueiro do Atlético-MG pode ser denunciado na Lei Maria da Penha

Segundo a polícia, o equatoriano Erazo e a sua mulher, Paola Lopez, discutiram na sexta e ela ficou com hematomas no rosto decorrentes de supostas agressões

O zagueiro do Atlético-MG Erazo não tem sido aproveitado pelo técnico Roger Machado nesta temporada

O zagueiro equatoriano Erazo, do Atlético-MG, vai ser investigado por agressão à sua mulher, Paola Lopez, e poderá ser denunciado com base na Lei Maria da Penha. O casal discutiu na noite de sexta-feira, 5, por volta das 20 horas, no apartamento onde moram, no bairro Paquetá, na zona norte de Belo Horizonte.

No boletim de ocorrência, policiais que estiveram na residência do casal afirmaram que a mulher tinha hematomas no rosto e que objetos da casa foram quebrados. Em depoimento, o jogador e a mulher confirmaram a discussão.

Segundo a Polícia Civil, no entanto, Paola, que chegou a ser levada pelos policiais para atendimento médico, não quis dar andamento à queixa, o que evitou a prisão imediata do zagueiro.

Conforme entendimento judicial, mesmo que a vítima desista da queixa, o agressor pode ser enquadrado na Lei Maria da Penha. A investigação ficará por conta da Delegacia Especializadas de Crimes Contra a Mulher.

À polícia, Erazo disse que a discussão teve início ao chegar em casa, depois de encontro com amigos. A mulher, conforme o jogador, teria tido uma crise de ciúme. Já Paola afirmou que o marido começou a gritar e que os dois começaram a brigar.

Clássico. Erazo não foi relacionado para o clássico entre Atlético e Cruzeiro, deste domingo, 7, no segundo e último jogo pelas finais do Campeonato Mineiro. A lista do técnico Roger Machado foi divulgada no sábado, 6. Sua equipe venceu o rival por 2 a 1 e conquistou o 44º título estadual.

O zagueiro não tem sido aproveitado pelo técnico nesta temporada. No último jogo do time, contra o Sport Boys, na Bolívia, na quarta-feira, 3, pela Libertadores, o jogador entrou em campo no segundo tempo.

A reportagem entrou em contato com a defesa de Erazo, mas não obteve retorno.

Do Estadão

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *