Governo divulga o crescimento acelerado do Porto do Itaqui

A projeção é chegar ao fim de 2017 com 8,2 milhões de toneladas de grãos movimentadas, sendo 6,2 milhões de toneladas somente de soja.

Foto divulgação

O Porto do Itaqui deve fechar o ano com um volume próximo de 19 milhões de toneladas de cargas movimentadas, o que equivale a mais de 12% sobre a movimentação registrada em 2016. Se levarmos em conta somente a exportação de grãos (soja, milho e farelo de soja), esse índice chega a mais de 71% em relação ao mesmo período do ano passado. As operações com milho subiram 176% e a super safra da soja representou um aumento de 55% no escoamento desse grão pelo Itaqui.

A projeção é chegar ao fim de 2017 com 8,2 milhões de toneladas de grãos movimentadas, sendo 6,2 milhões de toneladas somente de soja. Houve, ainda em junho, recorde histórico de movimentação do grão em um único mês, com 1.150.776 toneladas movimentadas. A produtividade também atingiu recorde, com 65 mil toneladas de grãos em 24h no pico da safra enquanto o tempo de espera dos navios se manteve baixo em relação ao volume de carga movimentada, com 31 horas em média.

“Este foi um ano de recuperação de cargas, principalmente do agronegócio, tão importante para o Maranhão e para toda a região Centro-Norte do país. Muitas obras foram realizadas, tanto no Porto do Itaqui, para atender demandas de segurança e produtividade, quanto para atender os passageiros nos terminais de ferryboat. Foi também um ano desafiador no cenário econômico brasileiro de incertezas, mas mantivemos a rentabilidade preservada, o que faz do Itaqui um porto sustentável, capaz de manter o seu programa de investimentos”, avalia o presidente da EMAP, Ted Lago.

Os números são positivos também nas cargas importadas. A movimentação de etanol subiu 225%, as operações com arroz registraram aumento de 93%, a escória e clínquer de cimento foi 29% maior e as cargas de fertilizante e de combustíveis para o mercado interno tiveram movimentação 11% maior no comparativo com 2016.

Com base em controles sistemáticos da gestão orçamentária, a EMAP – Empresa Maranhense de Administração Portuária, gestora do Porto do Itaqui, atravessou 2017 buscando garantir um bom nível rentabilidade no negócio, geração de caixa e a execução dos investimentos necessários ao momento de crescimento que vive.

A eficiência da gestão resultou em R$ 54,5 milhões de lucro e margem Ebitda de 42,0% no resultado acumulado em Nov/17. “Com foco na racionalidade dos gastos e otimização de receitas, estamos mantendo as condições para a permanente expansão e modernização das nossas atividades”, afirma o presidente.

Canteiro de obras

O ano de 2017 marcou o pico da temporada de obras iniciadas em 2016, com desembolso total de R$ 40 milhões em recursos próprios. São serviços de infraestrutura, tecnologia, segurança e ampliação previstos no Plano de Investimentos anunciado pelo governador Flávio Dino em janeiro de 2016.

De 2015 para cá a EMAP investiu R$ 160 milhões em obras de modernização da infraestrutura portuária e serviços de melhorias, além de reformas e manutenção. Somente o custo para prover serviços e manter a infraestrutura portuária dentro da área do porto organizado e terminais externos nesse período chegou aos R$ 42 milhões.

Foram finalizadas e entregues pelo governador a nova unidade de segurança do Terminal de Ferryboat da Ponta da Espera e, no Itaqui, o novo sistema de iluminação da área primária, melhoria no Pátio de Regulação de Carretas e nova estrutura de controle de acesso com a construção de portaria avançada, pavimentação dos pátios de contêineres e a primeira fase de revitalização do sistema de combate a incêndio (do Berço 104 ao 108) e construção de barreiras de contenção dos berços 100 ao 108.

Também foram concluídas as obras complementares para operacionalização do Berço 108, que incluem sistema de esgotamento sanitário, de iluminação e de defensas. O novo berço deve entrar em operação no primeiro trimestre de 2018.

A segunda etapa do sistema de combate a incêndio, que abrange os berços 100 a 103, será concluída em 2018, quando também será entregue o novo Terminal do Cujupe, que fecha o ano com 40% dos trabalhos concluídos. Nos dois últimos meses do ano a obra está concentrada na execução do Terminal de Passageiros, Terminal Rodoviário, Alojamento e Posto da Policia Militar (PM Box).

Entre os investimentos privados, o destaque do ano foi a prorrogação antecipada dos contratos de arrendamento do Tequimar (Terminal Químico de Aratu) por mais 25 anos, até 2049, o que amplia a capacidade de movimentação de derivados de petróleo no Itaqui, uma carga importante que é responsável por grande parte do ICMS arrecadado no Maranhão.

No valor total de R$ 145,7 milhões, a ampliação do terminal representa um aumento da capacidade em 48 mil metros cúbicos, que somados à capacidade de 55,2 mil m³ já existentes, totalizarão 103,2 mil m³ de granéis líquidos. O projeto deve gerar mais de 400 empregos diretos só na obra e outros 1.200 empregos indiretos. As obras foram iniciadas em setembro e a operação deve começar em dezembro 2018.

Tecnologia e inovação

O ano de 2017 representou um salto tecnológico nas operações do Porto do Itaqui. Foi entregue pelo governador Flávio Dino em setembro a nova estrutura do Centro de Controle Operacional, que deu a largada para uma série de modernizações em andamento, com implantação de um novo sistema de operação de terminais que atua no controle da movimentação e programação de navios, novo sistema de rádios digitais e do sistema de identificação automática de navios (AIS), que será utilizado para o monitoramento em tempo real das áreas de fundeio e canais de acesso aquaviário ao porto.

Entre as tecnologias que serão incorporadas estão o acesso por biometria, automação de portarias e balanças e a instalação de rádios digitais em estações fixas e móveis, ampliando a área de cobertura, controle de acesso de veículos por RFID (identificação por radiofrequência). O novo sistema otimiza as operações no Porto do Itaqui com redução de documentos impressos, de tempo e de recursos, acessos mais seguros e aumento de receita. Também tem capacidade para integrar os processos e a gestão de terminais logísticos com foco na operação.

Responsabilidade socioambiental

As ações de responsabilidade social da EMAP em 2017 foram voltadas à promoção da educação em sua área de entorno. Dentro desse propósito é que foi formalizado um termo de cooperação técnica com o Centro Vocacional Estaleiro Escola com o objetivo de valorizar e recuperar a profissão do operário naval e proporcionar treinamento para alunos do curso técnico em Logística Portuária. Por meio desse termo a empresa oferece seis vagas de estágio remunerado por semestre. Até o final deste ano 12 alunos do Estaleiro terão concluído sua capacitação na EMAP.

Na área do Cujupe a empresa vem capacitando os vendedores do terminal para oferecer novas oportunidades para geração de renda e melhor qualidade de vida a esses trabalhadores que ocuparão os 52 boxes no novo Terminal do Cujupe. Os comerciantes estão sendo treinados em atendimento ao cliente, boas práticas em manipulação de alimentos, empreendedorismo, associativismo e gestão financeira.

Mercado externo

Ásia e Oriente Médio foram alvo de várias missões promissoras para prospecção de novos negócios pelo Porto do Itaqui neste ano. Entre as principais estão a Missão Ásia – Investimentos em Portos Brasileiros, realizada pelo Governo Federal na China (Xangai e Hong Kong) e em Singapura; e o seminário Oportunidade de Negócios e Investimentos no Agronegócio do Estado do Tocantins, em Tóquio, no Japão. Nessas ocasiões o Itaqui foi apresentado como porto público preferencial do Arco Norte do país, com capacidade de atrair novos investimentos para o Maranhão.

A retomada das operações com gado vivo foi tema de reunião com a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira. Os embarques devem ser retomados em 2018, de acordo com as tratativas, que envolveram representantes das secretarias estaduais de Agricultura (Sagrima), Indústria e Comércio (Sedinc), municipal de Articulação Institucional, da Federação das Indústrias do Maranhão, Associação dos Criadores do Maranhão e de empresas de logística, serviços, operadoras portuárias, agências marítimas, criadores, entre outros.

O que vem por aí

Serão anunciados ainda neste ano os editais para a instalação de sistema elétrico e recuperação estrutural dos berços que, juntos, somam mais de R$ 45 milhões. E até 2018 serão cerca de R$ 255 milhões, divididos entre investimentos da EMAP e recursos federais. “O plano é tornar o Porto do Itaqui cada vez mais eficiente, gerando condições para exportar ao menor custo, o que o torna mais competitivo e consolida sua liderança no Arco Norte do Brasil”, afirma Ted Lago.

Dentro desse prazo está prevista a realização de dois grandes projetos: um terminal de cargas gerais, para operações com celulose, e um terminal de fertilizantes – do programa de licitação do Governo Federal.

Em setembro foi aberto o processo de licitação para construção de um novo berço no Itaqui, que será a maior obra do Governo do Maranhão em volume de recursos, realizada 100% com caixa próprio da Autoridade Portuária e deve gerar cerca de 300 empregos diretos e 150 indiretos. Obras desse porte normalmente são realizadas com recursos federais e ou da iniciativa privada.

Fonte: Governo do Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *