Deputado Dr. Yglésio levanta debate sobre situação das UTIs pediátricas no Maranhão

A assistência à saúde infantil reverberou na Assembleia Legislativa do Maranhão. O caso do menino Pietro acendeu o alerta de uma discussão muito mais ampla acerca da falta de leitos de UTI neonatal e pediátricos, levando também em conta as consequências de uma gravidez sem acompanhamento adequado.

A situação caótica da saúde pública é tema recorrente em gestões municipais e estaduais, mas também é pauta de preocupação e responsabilidade dos poderes legislativos. O deputado estadual Dr. Yglésio (PDT) tratou da assistência à saúde infantil na Assembleia Legislativa do Maranhão na sessão desta terça-feira (12).

“Muitas vezes, os papéis se confundem, mas falo aqui hoje muito mais como médico do que como parlamentar”, disse o médico Yglésio (PDT) logo no inicio de sua fala. Para o deputado é obrigação do parlamentar “fazer o seu melhor para que toda criança tenha a chance de ter sua vida preservada e, mais do que isso, tenha dignidade durante seu atendimento no SUS.”

O parlamentar não deixou de destacar os avanços nos últimos anos na assistência à saúde, como abertura de novos leitos. “É inegável que houve avanços nos últimos anos dentro da assistência à saúde do Maranhão. Inauguração de novos hospitais, elaboração de programas de maior assistência e democratização do acesso principalmente”, lembrou.

“Mas os avanços não podem nos cegar quanto a necessidade de vencer os retrocessos. É inegável que tem um problema muito sério hoje com os leitos de UTI neonatal vão com as crianças com até trinta dias de vida quanto os de UTI pediátrica”, pontuou Yglésio.

Dados

No Maranhão tem um déficit de 274 leitos de UTI neonatal, uma proporção de 1,18 leito pediátrico por cada 10 mil habitantes pediátricos. No sudeste a proporção é 4 para cada 10 mil habitantes pediátricos.

O Hospital Materno Infantil é a única unidade do estado a realizar procedimentos, tais como broncoscopia infantil e é referência em neurocirurgia infantil.

Atualmente há 10 leitos de UTI pediátrica, 42 leitos em UTI neonatal e 10 leitos de cuidados canguru. A rede estadual conta com 19 UTIs pediátricas e 105 UTIs neonatal.

Outro ponto

Na abertura da I Conferência Livre da Política de Atenção Primária e Vigilância em Saúde, o deputado mostrou preocupação na atenção básica. “Nós estamos perdendo nossas crianças por falta de atenção básica no pré-natal”, destacou.

A gente sabe que o Brasil é um país que ainda não conseguiu de fato exercer na plenitude a da atenção básica. A gente vive ainda um paradigma de saúde hospitalizada que é cara que muitas vezes ela não é resolutiva porque ela já pega o problema numa fase muito avançada”, disse o deputado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *