Um líder religioso que começa a carreira política no Maranhão

Em 2017, o conselho de pastores da Assembleia de Deus, como de praxe, realizou um pleito interno para a escolha de nomes da congregação religiosa para disputar as eleições gerais de 2018. Por votação entre os membros da AD, o mais votado para disputar a vaga de deputado federal foi o Pastor Gildenamyr, que há mais de 15 anos desenvolve um trabalho social na Assembleia de Deus.

Com o objetivo a ser alcançado, Gildenemyr buscou a melhor legenda para viabilizar sua candidatura já avalizada pela Assembleia de Deus. Assim, apesar de vários convites para se filiar a diversos partidos, o pastor acabou por escolher o PMN.

Com um trabalho social sólido, Gildenamyr conseguiu mais de 47 mil votos para deputado sendo eleito. Tal votação, por sinal, representaria vitória nas urnas certa em outras legendas como o PSL, sigla que ele recebeu convite para disputar o pleito do ano passo descartando assim a ideia de que o pastor somente foi eleito devido a votação do deputado Eduardo Braide.

A introdução é uma demonstração da força social e política do pastor Gildenemyr, que após saber da impossibilidade de seu partido, o PMN, ter acesso a direitos partidários devido as cláusulas de desempenho passou a dialogar com lideranças políticas para escolher seu novo caminho partidário.

Como é defensor – desde o período da pré-candidatura – de Jair Bolsonaro, o mais lógico, é que o Pastor Gildenemyr buscasse um partido que seguisse a linha política do presidente da República.

“Sou um representante do povo do Maranhão e quero honrar cada voto que recebi com a confiança de que farei o melhor para toda a população”, disse Gildenemyr.

O fato de ser aliados do presidente Jair Bolsonaro não reduz a responsabilidade do futuro deputado com o Maranhão. Segundo ele, apesar de o estado estar sob o comando de um governo que é adversário político do presidente da República, não há a possibilidade de Gildenemyr ser oposição ao governador Flávio Dino no que diz respeito aos benefícios para o estado.

A ideia de Gildenamyr é trabalhar como um mediador entre o estado e a União para buscar cada dia mais recursos e obras para o Maranhão. “Não sou adversário do Maranhão. Sou representante do meu povo e assim, com os contatos que tenho junto ao Governo Federal – com relações próximas com vários ministros – pretendo buscar recursos para nosso estado e assim ajudar a todos tornando o Maranhão um estado justo e desenvolvido”, afirmou o deputado federal.

E com este trabalho já planejado, que Gildenamyr dará continuidade a sua carreira política iniciada em 2018 com vitória nas urnas.

A tempo: a deputada federal e senadora eleita, Eliziane Gama, foi um dos nomes escolhidos pelos representantes da Assembleia de Deus para disputar uma das vagas da Assembleis Legislativa. Depois, Gama foi eleita internamente para ser candidata a deputada federal. E depois senadora. O mesmo aconteceu com Costa Ferreira. O processo interno da Assembleia de Deus é democrático e possibilita aos seus membros entrar na vida política para contribuir dentro do poder com as obras sociais e espirituais que já são feitas pela congregação religiosa.

Do Gilberto Leda 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.