Após filiação de Alckmin no PSB, Folha de S. Paulo fala de “pontas soltas” com o PT nos estados; menos no Maranhão

Passados os atritos na tentativa de formar uma federação e com o ex-governador Geraldo Alckmin efetivamente filiado, lideranças do PSB e do PT fazem agora esforço para entoar um discurso de união e conciliação.

Lideranças das duas legendas reconhecem que ainda há pontas soltas nos estados e que as “cotoveladas” locais devem continuar pelo menos até 2 de abril, quando se encerra a janela partidária.

Mas afirmam ser necessário, como estratégia nacional, não deixar essas cicatrizes atrapalharem a unidade da militância e de seus quadros em torno da candidatura presidencial. O momento, defendem, é de pacificação.

Há resistências ainda no PT. Ex-dirigentes da sigla, como o deputado federal Rui Falcão (SP), já se manifestaram categoricamente contra a aliança. Parceiros históricos da legenda, como Guilherme Boulos, também são contrários. O PSOL, por exemplo, não esteve presente no ato de filiação desta quarta-feira (23).

Em sua fala durante o evento, Alckmin não economizou nos elogios ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Temos que ter os olhos abertos para enxergar, a humildade para entender que ele [Lula] é hoje o que melhor interpreta o sentimento de esperança do povo. Ele representa a própria democracia porque ele é fruto da democracia”, afirmou o ex-governador. Acrescentou ainda que Lula é quem vai reinserir o Brasil no cenário mundial e “alargar o horizonte do desenvolvimento econômico”.

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, concorda com a necessidade de união e elogiou o tom do discurso do ex-governador. “Geraldo Alckmin sabe da responsabilidade que nós temos com o país neste momento”, disse ao Painel.

Os obstáculos, no entanto, persistem. O evento desta quarta exaltou os pré-candidatos do PSB dos estados mais problemáticos. O presidente da legenda, Carlos Siqueira, fez questão de citar Márcio França como o próximo governador de São Paulo. Lá, o PT pretende lançar o ex-prefeito Fernando Haddad.

Também compareceu ao evento o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, candidato à reeleição, que pode enfrentar o senador Fabiano Contarato (PT).

Esteve lá ainda o ex-deputado Beto Albuquerque, pré-candidato ao governo do Rio Grande do Sul, posto também almejado pelo deputado estadual Edegar Pretto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.