“A quem interessa tirar os Ferry de circulação?” questiona o presidente da MOB

O presidente da Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos – MOB, Celso Henrique, afirmou durante entrevista à TV Mirante que acionará a Justiça para solucionar a questão da liberação da embarcação José Humberto, na travessia Cujupe-Ponta da Espera.

Celso Henrique informou que a embarcação cumpriu todas as exigências da Capitania dos Portos e da Marinha do Brasil, que são os órgãos responsáveis por autorizar a navegação de Ferry Boat, na Baía de São Marcos.

“O caminho é judicial. A gente entende que só colocando mais barcos conseguiremos resolver a situação que estamos vivendo hoje na travessia. A MOB de forma nenhuma foi irresponsável de fazer uma autorização precária sem ter toda a orientação técnica da Capitania dos Portos e Marinha do Brasil para que essa embarcação fosse colocada na travessia”, disse Celso Henrique.

Para o presidente da MOB, interesses políticos estão prejudicando mais de um milhão e meio de habitantes da região da baixada que precisam do serviço aquaviário.

“A gente fica se perguntando a quem interessa tirar um barco dessa travessia. Os serviços só irão melhorar com mais barcos, não existe outra solução. São mais de um milhão e meio de habitantes da baixada que precisam desse serviço, que só vai ser melhorado com embarcações”, pontuou o presidente da MOB.

Celso Henrique ainda destacou a responsabilidade, compromisso e o profissionalismo da Companhia dos Portos, Marinha do Brasil e MOB.

“A Companhia dos Portos, a Marinha do Brasil e a MOB têm responsabilidade. E para colocar um barco em circulação tem que atender todas as normas de segurança de transporte aquaviários no Brasil e não só na Baia de São Marcos. O José Humberto veio para melhorar essa situação”, finalizou.

Matias Marinho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.