Com mudanças no Mais Médicos aumenta valorização dos acadêmicos de medicina que estudam no exterior

Os cursos de Medicina do Brasil ganham força a partir dessa decisão do presidente eleito Jair Bolsonaro de que só vão poder atuar nos país os profissionais que estejam dispostos a participar do programa de revalidação após a conclusão do curso. Essa regra também vale para aqueles que buscam uma formação profissional nas universidades de fronterira, como na Bolívia e no Paraguai, por exemplo.

Na opinião do diretor da UCP, a Universidad Central del Paraguai, Karlos Bernardo, as instituições que forem mais competentes e demonstrarem, com ensinos práticos e metodologia adaptada ao sistema de saúde pública do Brasil, vão ter melhores oportunidades agora. ‘Estamos preparados, a procura pelo nosso curso só aumentou, estamos expandindo os espaços físicos e incrementando o ensino, prontos para colaborar com essa nova política’, comentou o diretor da universidade paraguaia.

O presidente Jair Bolsonaro foi enfático ao dizer que as condições básicas para a permanencia de cubanos, por exemplo, no programa Mais Médicos, a partir de janeiro, será a participação dos profissionais da ilha nos cursos de capacitação e revalidação do diploma, o repasse integral dos valores pactuados entre governos ao próprio médico e a vinda desse profissional junto com a família, para melhor adaptação no Brasil. O governo cubano rejeitou essas condições e decidiu sair do programa.

Compatibilidade

Com disciplinas compatíveis aos planos curriculares do Brasil “e com a qualidade de ensino que estamos oferecendo aos brasileiros que estão vindo se graduar no Paraguai e em nossa instituição, não temos dificuldade em afirmar que os médicos formados aqui na UCP, por exemplo, terão plenas condições de ser aprovados no Revalida”, disse Karlos, para quem a definição de regras e normas dará mais tranquilidade para que eles possam fazer o exame e dar início na vida profissional. O curso de Medicina da UCP também está regularmente aprovado pelo Cones (o Conselho Nacional de Educação Superior) do Paraguai.

Fonte: Jornal de Dourados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *